20120531




Poesia é o cacete!!!




Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos


Institui o dia 3 de novembro como o Dia Nacional do Quilo.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 
Art. 1o Fica instituído o Dia Nacional do Quilo, a ser comemorado anualmente, em todo o território nacional, no dia 3 de novembro.
Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. 
Brasília, 15 de maio  de  2012; 191o da Independência e 124o da República. 
DILMA ROUSSEFF
Tereza Campello
Este texto não substitui o publicado no DOU de 16.5.2012

20120529

Parar por agora
As postagens e poemas.
Inverno precoce.

Infinita tristeza
Late en mi corazon
Infinita tristeza
escaldada passion
Infinita pobreza
Tu sombra en la pared
Infinita tristeza
Viento de Washington...







20120528

Eis o óbvio ululante:
Ex-ministro e meliante.
Silêncio gritante!

20120527

"Yes we can!"; 
"I had a dream"; 
Kofi Annan.

Malcom X; 
Black Panthers; 
Jah Rastaman...

O esvoaçar desta capa grotesca,
Excitação com o início do jogo.
Exórdio da mordida vampiresca:
Olhos vermelhos que irradiam fogo.

Lembrar-se de como era bom viver
Co’ a certeza da promessa da morte.
Cangote e pescoço cheirar, morder.
Viver da vida que emana do corte.

Presas invadem a carne salgada,
Do terror e desejo que enlouquecem,
Sugar o teu transe, mulher alada.

Ostentas orgulhosa marcas, morte.
Voltar de manhã para o sonho que arde:
Fortuna doce, amor ardente, corte...

20120526

    Desde quando escolheram Barrabás, 
  Que o vagabundo faz sucesso!
 Mas, agora, está demais!
  Será sinal do tal progresso?





O rabo é que balança o cachorro, olha só:


20120525






Na minha prateleira,
Entre Camões e Pessoa,
Sá-Carneiro espremido
Para não se fragmentar...
Agentes inermes,
Verdadeiros alvos móveis.
Diretor blindado!

20120523


O amor dá força...
Mergulha de cabeça:
Piscina vazia.

20120522


Inferno! Dualidade onda-corpúsculo
Mude a visão que se tem de tudo.
Transforme continente em conteúdo
Prove que a poesia também possui músculo.

E=mC²,
Constante de Plank, Mecânica Quântica,
Teoria do Caos, Física Teórica,
Todas conspiram para o vosso fado.

Amador-partícula em salto quântico,
Amada-onda de drop infinito
Transformam-se um no outro em um caos romântico.

E, ao mostrar que os pensamentos tem peso,
Tenha em mente o Princípio da Incerteza e
Mantenha o gato de Schrödinger preso!
Maekawa's Devil


Foto: U. Dettmar

Foto: U. Dettmar


Foto: Ricardo Borges

Dobras: Ricardo Borges  

20120520

Blindaram o político
Contra os tiros da verdade.
Cachoeira de outono!
Cristal derreteu-se!
Foge o fogo das entranhas
A cegar-te os olhos.

20120519

Deserto outono.
Uni verso de distância.
Miragem feliz.
Em números muito próximos ao infinito, 
a realidade é outra...

Vai fazendo merda!
Cobra morde o próprio rabo.
Circularidade.

20120518

O tropel na estrada;
Uivos e gritos na noite.
Lenha na fogueira.
Final de churrasco,
Os corações no espeto.
Gente defumada!
Flor retorna ao galho,
No lugar de onde caiu.
Ah! Borboleta!
Flor retorna ao galho,
Pouco antes de cair.
Ah! Borboleta!
On an autumn's day,
Woke up with Coleridge's flower.
I went back to sleep...

20120517

Num dia de outono, 
Acordei com a flor de Coleridge. 
Voltei a dormir...

20120515



Agora, o fogo que te arde, amor,
É o da ponta do meu cigarro aceso.
Crestar de sadismo o corpo indefeso
E cativar os teus sonhos de horror.

Muda a cor da voz, sim. Quero outro tom.
Pecados da carne purificados.
Teus nomes sujos, tão perfumados,
Escrever no teu corpo com batom.

Transforma-se o que é no que se come.
Provo o teu corpo mordendo-te a alma,
Degusto as finas fatias de dor.

Suicídio orgástico, teu desabamento.
Furar-te com agulha, beber sangue.
Viver. Morrer dentro de ti. Viver...

20120514


Outono ingrato.
Vandalizaram o Drummond.
Por que não se matam?

Perversão danada,
As tais das taras ocultas.
Danação perversa.

Amor é Camões!
Amor é Camões. Fogo! (gritar fogo)
Amor é Camões...
Tornar-se um gigante...
Nada sem peso no ar
Pedra diminuta.

20120510


Silêncio outonal...
Jardim de areia, quietude.
As pedras cantando.

Silêncio outonal...
Jardim de areia, quietude.
As pedras rolando.
Silêncio outonal...
Jardim de areia, quietude.
As pedras gritando.

20120508

Alladin da lâmpada
Entrada USB
Desejos conexos.
Luis de Camões.
Poesia é o fingimento.
Fernando Pessoa.

20120505

A face from far away
The Picture of Dorian Grey
New day yesterday