20171006

”Where it’s dark as a dungeon
And it’s damp as the dew.
Where the dangers are double
And the pleasures are few.
Where the rain never falls
And the sun never shines.
Yes, it’s dark as a dudgeon
Way down in the mine.
Well, I pray when I’m dead
And the ages shall roll.
That my body will blacken
And turn into coal.
Then I’ll look from the door
Of my heavenly home
And pity the miner
That mines my poor bones...”

20160611

Sonho: suicídio!
Será isso um renascer?
Acordei chorando.

20160402

Carne y rosa

Quando eu morrer,
rompam,
façam,

chamem.

Que meu caixão ajaezado
a um morto,
e eu quero,
por força de burro, nada se recusa:

à andaluza vá sobre um burro.
Estalar chicotes,
palhaços e acrobatas, aos saltos e aos pinotes
batam latas...


Leitura/poema em "U" do poema "Fim" do Sá-Carneiro

20160104

Morte o nó desfez.
Um grande amigo se foi:
"Vai ter que ter merda..."

20140127

Corto o pescoço do Deus Sol,
Seguro pelos cabelos, derrubo o corpo.
O sangue morde as palavras, não há vitória.
Tudo anoitece nos artelhos da faca...

20130819

Os sonhos de harém:
Eram dez naquela cama,
Poliamorosas...

20130324

Se a vida te der um spray de pimenta, 
faça um steak au poivre...

20121018

Hora do almoço, 
cortando papel no trabalho






À esquerda,
no armário,
os bonecos da Marilza;

à mesa,
meu estojo escolar camuflado,
Obra completa de
Mário de Sá-Carneiro,
xerox de parte da
Lírica de
Camões, do
Álvaro Pimpão,
a pasta com minha lista de chamada
(faço oficial e impreterivelmente
a chamada todos os dias)

e

Minha máquina de escrever,
9mm,
vermelha,
japonesa d
a Pentel.

À direita, minha
caneca de café,
meu headfone
(que não uso mais, pois todos imploram por ouvir meu
Jazz, 
Rock, 
Música japonesa
...
);

No
Armário Armando,
meu estojo triplo azul,
minhas caixas de contas,
o pote de agulhas,
cola,
A lata de 
Sonho de Valsa cheia de 
origamis.

Agora, sim!
ao centro da
Távola Redonda
a companheira velha de guerra,
Refiladora Menno RPM-420,
já posicionada para

f
a
t
i
a
r

o rolo de
Papel Kraft,
80g/m²,
para depois
cortar os

quad
r      a
d o  s 

20 20 cm.

20120910

Móbiles em origami:
Peixes voando em cardume.
Quase Primavera!

20120725

Ex Libris Ricardo Borges











20120724

20120621

Já ao fim do outono,
Amendoim com wasabi
Sadomasoquista.

20120614


Coleridge's Knife

What if you slept? 
And what if in your sleep, you dreamed?
And what if, in your dream, you went to hell and there you found a knife and killed someone?
And what if, when you awoke, you had the bloody knife in your hand? 
Ah, what then? 

20120610


Cinco cordas, três leões, uma lebre;
Uma piscina, vinho, duas taças...

20120606

Sonhei contigo
Acordei e nem lembrei.
Voltei para o sonho.
Ornitorrinco.
Pato mama? Abajur
Por dentro da mala.

20120604

Colchões azuis


...E não importa o órgão público, 
O colchão é sempre o mesmo. 
Um dia serei, não mais o astronauta, o bombeiro,
Mas sim, o feliz dono de uma fábrica de colchões azuis.

20120603

Entre Camões e Pessoa,
Sá-Carneiro espremido
Para não se fragmentar...

20120601

Não importa a pergunta, a resposta é sempre a mesma:


Quanto é 25 x 45?
R: Camões.


Com quantos paus se faz uma canoa?
R: Camões.


Quais os números do último sorteio da Megasena?
R: Camões.


Qual o animal que tem 4 patas pela manhã, 2 à tarde e 3 à noite?
R: Camões.


Qual o som do bater palmas com uma só mão?
R: Camões.


Onde fica a Taprobana?
R: Camões.


Como nascem os bebês?
R: Camões.


Quanto custa um político corrupto?
R: Camões.


Por que os olhos daquela menina mudam de cor à noite?
R: Camões.


Quem matou Joana D'Arc?
R: Camões.


Onde fica a Estrada de Ouro Fino?
R: Camões.


Qual a distância entre a Terra e a Lua?
R: Camões.


Quantos quilômetros por litro faz um fusca?
R: Camões.


E se o fusca for movido à gás?
R: Camões.


Você fuma ou bebe?
R: Camões.


Existe vida após a morte?
R: Camões...

20120531




Poesia é o cacete!!!




Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos


Institui o dia 3 de novembro como o Dia Nacional do Quilo.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 
Art. 1o Fica instituído o Dia Nacional do Quilo, a ser comemorado anualmente, em todo o território nacional, no dia 3 de novembro.
Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. 
Brasília, 15 de maio  de  2012; 191o da Independência e 124o da República. 
DILMA ROUSSEFF
Tereza Campello
Este texto não substitui o publicado no DOU de 16.5.2012

20120529

Parar por agora
As postagens e poemas.
Inverno precoce.

Infinita tristeza
Late en mi corazon
Infinita tristeza
escaldada passion
Infinita pobreza
Tu sombra en la pared
Infinita tristeza
Viento de Washington...







20120528

Eis o óbvio ululante:
Ex-ministro e meliante.
Silêncio gritante!

20120527

"Yes we can!"; 
"I had a dream"; 
Kofi Annan.

Malcom X; 
Black Panthers; 
Jah Rastaman...

O esvoaçar desta capa grotesca,
Excitação com o início do jogo.
Exórdio da mordida vampiresca:
Olhos vermelhos que irradiam fogo.

Lembrar-se de como era bom viver
Co’ a certeza da promessa da morte.
Cangote e pescoço cheirar, morder.
Viver da vida que emana do corte.

Presas invadem a carne salgada,
Do terror e desejo que enlouquecem,
Sugar o teu transe, mulher alada.

Ostentas orgulhosa marcas, morte.
Voltar de manhã para o sonho que arde:
Fortuna doce, amor ardente, corte...

20120526

    Desde quando escolheram Barrabás, 
  Que o vagabundo faz sucesso!
 Mas, agora, está demais!
  Será sinal do tal progresso?





O rabo é que balança o cachorro, olha só:


20120525






Na minha prateleira,
Entre Camões e Pessoa,
Sá-Carneiro espremido
Para não se fragmentar...
Agentes inermes,
Verdadeiros alvos móveis.
Diretor blindado!

20120523


O amor dá força...
Mergulha de cabeça:
Piscina vazia.

20120522


Inferno! Dualidade onda-corpúsculo
Mude a visão que se tem de tudo.
Transforme continente em conteúdo
Prove que a poesia também possui músculo.

E=mC²,
Constante de Plank, Mecânica Quântica,
Teoria do Caos, Física Teórica,
Todas conspiram para o vosso fado.

Amador-partícula em salto quântico,
Amada-onda de drop infinito
Transformam-se um no outro em um caos romântico.

E, ao mostrar que os pensamentos tem peso,
Tenha em mente o Princípio da Incerteza e
Mantenha o gato de Schrödinger preso!
Maekawa's Devil


Foto: U. Dettmar

Foto: U. Dettmar


Foto: Ricardo Borges

Dobras: Ricardo Borges  

20120520

Blindaram o político
Contra os tiros da verdade.
Cachoeira de outono!
Cristal derreteu-se!
Foge o fogo das entranhas
A cegar-te os olhos.

20120519

Deserto outono.
Uni verso de distância.
Miragem feliz.
Em números muito próximos ao infinito, 
a realidade é outra...

Vai fazendo merda!
Cobra morde o próprio rabo.
Circularidade.

20120518

O tropel na estrada;
Uivos e gritos na noite.
Lenha na fogueira.
Final de churrasco,
Os corações no espeto.
Gente defumada!
Flor retorna ao galho,
No lugar de onde caiu.
Ah! Borboleta!
Flor retorna ao galho,
Pouco antes de cair.
Ah! Borboleta!
On an autumn's day,
Woke up with Coleridge's flower.
I went back to sleep...

20120517

Num dia de outono, 
Acordei com a flor de Coleridge. 
Voltei a dormir...

20120515



Agora, o fogo que te arde, amor,
É o da ponta do meu cigarro aceso.
Crestar de sadismo o corpo indefeso
E cativar os teus sonhos de horror.

Muda a cor da voz, sim. Quero outro tom.
Pecados da carne purificados.
Teus nomes sujos, tão perfumados,
Escrever no teu corpo com batom.

Transforma-se o que é no que se come.
Provo o teu corpo mordendo-te a alma,
Degusto as finas fatias de dor.

Suicídio orgástico, teu desabamento.
Furar-te com agulha, beber sangue.
Viver. Morrer dentro de ti. Viver...